“É preciso coragem para pedir o que queremos – especialmente se for mais do que as pessoas acham que merecemos.”

maternidade

“É preciso coragem para pedir o que queremos – especialmente se for mais do que as pessoas acham que merecemos.”

Livro: "O momento de voar" da Melinda Gates

Recentemente comecei a ler o livro da Melinda Gates “O momento de voar: como o empoderamento feminino muda o mundo” e fiquei, por alguns instantes, perplexa ao ler essa frase “É preciso coragem para pedir o que queremos – especialmente se for mais do que as pessoas acham que merecemos “, achei de um poder tão grande e verdadeiro que imediatamente fiz um paralelo com a maternidade.

Boa parte das mães sente-se esgotadas, exaustas, questionando se fez a escolha certa ao engravidar, mas poucas tem coragem de pedir ajuda.

E sabem por quê?

Porque a maternidade só é vista como algo mágico, encantador e de plena realização pessoal. Não é permitido queixas, reclamações, tristezas e choros.

Já ouvi diversos relatos de pacientes que ao desabafarem com a família e exporem seu cansaço e sua tristeza ouvem frases como “Se não queria engravidar, por que transou?”, “O filho é seu, agora aguenta!”, “Não está feliz por quê? Seu filho é saudável, você tem tudo”.

E as respostas deveriam ser: “Sim, queria engravidar”, “Sim, o filho é meu” e “Sim, meu filho é saudável e sou grata por isso”, mas não significa que a mulher não possa ter sentimentos ambivalentes.

Ao mesmo tempo em que se vêem apaixonadas e encantadas pelo bebê, que se emocionam com o seu sorriso, com suas conquistas como sentar sozinho, segurar a colher, começar a andar e falar as primeiras palavras, ainda que só a mãe entenda (confesso que pra mim não tem nada mais emocionante do que acompanhar o desenvolvimento de um bebê), não quer dizer que as mulheres não possam apresentar tristeza, inseguranças sobre sua capacidade de ser mãe, choros inconsoláveis, culpa e por vezes, deprimir.

 

maternidade

Depressão não é escolha, mesmo quando o filho é lindo e saudável, mesmo quando a mulher é casada e seu marido faz sua parte como pai.

Depressão é mais do que doença, é um transtorno mental.

As mulheres deprimidas merecem tratamento e acolhimento familiar principalmente.

 

Nenhuma mãe é capaz de passar pela maternidade sem suporte familiar pq nada é mais difícil do que criar uma criança para ser saudável física e mentalmente.

Esse Blog é apenas de carácter informativo e qualquer conduta médica deve ser feita única e exclusivamente por um médico. 

Clique aqui caso deseje marcar uma consulta. 

 

 

“É preciso coragem para pedir o que queremos – especialmente se for mais do que as pessoas acham que merecemos.”

Deixe uma Mensagem

Rolar para o topo
%d blogueiros gostam disto: